segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Como se não bastasse sermos auto-excluídos...

... agora somos também tele-excluídos. Por outras palavras, além de andarmos a pé, que o carro continua na oficina - os senhores alemães da WW que estão a fabricar a peça que falta devem achar que com a nossa crónica falta de produtividade, mais semana menos semana, é igual -, agora também não temos televisão. Ou melhor, ter até temos, e com uma bela imagem. O que lhe falta é o som. Não se ouve nada. Um zumbidozinho sequer. Nada.

Auto-excluídos e tele-excluídos, a família, ainda assim, safa-se muito bem. Fomos de táxi à piscina, e voltámos de autocarro, uma grande aventura para dona princesa, que quis logo telefonar à avó Gracinha a contar a novidade.

Depois fomos a pé ao supermercado, desta vez uma grande aventura para o papá que teve de carregar os sacos de volta para casa.

Vimos as notícias na net e passámos muito bem sem os telejornais. Também não houve doses maciças de nodis, winxs e hóquei em patins na benfica tv, desta vez com uma belíssima desculpa. E à noite, depois de deitados os rebentos, vimos um grande filme no computador, cortesia da querida Catarina que nos abasteceu de DVD.

Em suma, não estamos assim tão mal e o único desgosto foi não termos podido ir ao Alentejo no fim-de-semana.

2 comentários:

catarina disse...

é uma epifania descobrir que há vida além da tv :))) e pronto, vá, pensemos que a falta de automóvel ajuda a emitir menos CO2 para a atmosfera.
beijinhos, que as coisas fiquem consertadas rapidamente!

graça anibal disse...

Pois, fiquei a saber pelo telefonema da Mada que andaram todos no autocarro, naquele que leva a avó a casa quando aí vai.
Beijos