segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Setembro que grande mês *

 "Se te sentires muito infeliz, voltamos para casa mais cedo." Foi com esta promessa que a convenci a sair de casa para o primeiro dia na escola nova. Estava uma pilha de nervos e durante algum tempo não se lhe viu um sorriso. Eu e o pai ficámos com ela toda a manhã em que durou a apresentação, juntos assistimos a uma peça de teatro organizada pelos meninos mais crescidos, fizemos jogos no recreio, explorámos a sala nova, elogiámos os desenhos e a plasticina e dona Princesa, quando deu por ela, já sorria e brincava. Ainda lhe perguntei se estava muito infeliz, mas não, não estava, anunciou, e por isso não se falou sequer em voltar para casa mais cedo. Depois fomos as duas às compras, coisa de raparigas, com direito a almoço no Mc. Donald's antes de regressarmos a casa, e o primeiro dia de escola acabou por se passar sem grandes dramas. Até porque entretanto descobrimos que a Maimuna e a Teresa, da escola antiga, estão na mesma sala, o que lhe aquietou os medos de estar num sitio onde não conhecia ninguém e não tinha amigas para brincar.
Quanto a nós, os pais, tivemos o primeiro embate com a escola pública. Muito mais impessoal que o antigo infantário - é verdade que estamos ainda no princípio - mas, pelo menos para já, com competência, boa vontade, e gente simpática e interessada.

Para Pedrinho, os tempos também são de novidade. No primeiro dia depois das férias subiu a escada da escola a correr para ver a sala nova e os colegas novos e mostrar os brinquedos que levava. Ficou feliz, sem uma lágrima, mas agora, passada a novidade, descobriu de repente que a mana já não está na mesma escola e chora baba e ranho quando o deixamos de manhã. Só hoje percebemos o que se passava, porque estava com um ar tão triste que lhe perguntei se estava infeliz e me explicou que sim, e que queria a mana. Foi um choro tão grande que quase agarrámos nele e fomos todos para casa fingir que ainda estávamos de férias.


* Título roubado a um livro da Odette de Saint Maurice que li quando era miúda. Nesse tempo Setembro ainda era de férias, a antecipar o regresso às aulas, e o que eu sonhei com aqueles livros e com as férias da família Macedo.

1 comentário:

catarina disse...

as dores de crescimento... os nossos meninos :)) que esta ano lhes corra muito bem :)