segunda-feira, 8 de março de 2010

Nasceu uma estrela

Desta vez tudo foi diferente. Eu queria um parto com história e queria saber o que é isso de parir uma criança sem ser por cesariana, que não é uma forma menor de o fazer, mas essa experiência já eu a tinha. Queria e tive. Fiquei mais de 24 horas no bloco, graças a uma médica demasiado picuinhas, mas o trabalho de parto propriamente dito durou umas sete horas, mais coisa, menos coisa, desde que uma sádica qualquer resolveu que estava na hora de romper as águas. A partir desse momento começou a tal "história" que eu queria e que incluiu de tudo, desde gargalhadas a gritos - muitos - com alguns insultos pelo meio. Não só ao pai de família cá de casa, que não arredou pé e não se deixou impressionar, mas também ao enfermeiro Pedro, homem de grande paciência e belo sorriso, que me trouxe uma anestesista logo que as regras me permitiram a epidural e que me deixou andar pelo chão nas horas de maior angustia, porque lhe falei na minha avó alentejana, que teve nove filhos e, muito provavelmente, nenhum lhe nasceu na cama.
Eram onze e cinco da noite quando o rapaz deslizou suavemente para fora - não sei se haverá sensação de maior alívio... - e o colocaram, finalmente, em cima da minha barriga. Para ser honesta, a única coisa que vislumbrei foi uma pilinha, porque o levaram imediatamente dali para fora, com o pai atrás, para averiguar o que raio lhe iam fazer ao herdeiro. Só voltaram quase uma hora depois, já eu suspirava por uma sandocha de fiambre e uma meia de leite, ainda indiferente às dores que durante mais de uma semana não haveriam de me deixar sentar decentemente. A única coisa que consegui foi um pacotito de leite e uma paposeco muito seco com manteiga, que afinal aquilo era a MAC e não um hotel de cinco estrelas. Pormenor sem importância, porque já tinha a minha criança no colo, lindo e maravilhoso apesar das ruguinhas todas, dos olhos inchados e do ar, em geral, de quem tinha acabado de fazer uma viagem longa e acidentada.Lá fora estava um sábado ventoso e chuvoso e à minha frente tinha um pai derretido de orgulho pelo seu feito. Na sala de espera, o tio Rui mais meia dúzia de amigos ainda a comemorar os quatro-zero do Leixões-Benfica dessa noite e uma família de ciganos, também a aguardar por um novo membro, deram as boas vindas ao Pedro.

7 comentários:

carla.mateus.silva disse...

Tudo de bom para esse menino lindo, e para o resto da familia.
queria mto uma foto,mas vou continuar pacientemente á espera.
bjs

Oficinas RANHA disse...

Apesar de tudo a MAC ainda é um grande hotel...
E tenho pena de não ter estado lá para dar uma força.
Beijinhos da Ana Cristina

gralha disse...

Eu gostei muito da MAC. E tive direito a uma bela jantarada depois do parto e tudo :)

CC disse...

Parabéns, parabéns! Que bom! Bem-vindo Pedro! Beijos aos quatro. Carla Castro

mena disse...

carla, as fotos já seguiram para o teu email.

ana cristina, tens razão, a MAC não vai nada mal. aliás, n a trocaria por nenhum privado com quarto só para mim.

não tive foi a sorte de uma jantarada como tu, gralha :)

carla casto, obrigada :)
não sabia que vinhas aqui ao meu blog. beijinhos e dá notícias.

Marina disse...

Muitos parabéns! Também queria um parto normal desta vez. Beijo

Cougar disse...

Parabéns mãe!!Pai e mana!!