domingo, 15 de agosto de 2010

Bronquítico

Primeira febre, primeira ida ao centro de saúde (em pleno Alentejo), primeiro raio-x, primeiro antibiótico, primeira ida à Estefânia, primeira bronquite. E tudo isto em plenas férias. Um mix que se saldou em várias noites sem dormir - ou a acordar de duas em duas horas, o que dá no mesmo. Não sei onde nem como é que o rapaz apanhou esta porcaria, mas apanhou e bem, com uma profusão de ranho nunca vista, febre que voltava de oito em oito horas e dificuldades em respirar. E eu sentada na cama, a olhar para ele, a verificar os altos e baixos da respiração, para me certificar que tudo estava bem e, quando a coisa ficava mais negra, a desentupir o belo do nariz, com o único método eficaz para quem tem cinco meses e que me abstenho aqui de descrever (só digo que implica aspirar ranho por um tubinho). Foi bom, portanto. Enquanto o pai e a mana rumavam à piscina para se livrarem dos 40º à sombra que estavam em Castro Verde, mamã e Pedrinho ficavam em casa, de janelas fechadas para impedir a esturreira de entrar. E o pior é que nem dava para ler ou mesmo para brincar, porque os humores do pequeno, como facilmente se percebe, não estavam lá grande coisa. E assim se passaram os primeiros oito dias de férias. Menos mal, já que andava tão cansada que apesar de me vingar na comida maravilhosa da minha mãe, acabei por não engordar novamente.

2 comentários:

mãe disse...

As melhoras para o bebé Pedrinho!
Bjs da Laura que tem saudades de brincar com a Mada

Cougar disse...

Como dói ser mãe amiga...Eu com meu ando a desperar por uma explicação e a tripar com a indulência destes 14 anos que parecem que só já, me cobrem a cabeça de brancos, tal não é a calma para além de Zen da sua infantilidade, e o meu stress projectada em dias que se aproximam a galopar, que vão ser o meu corte nesse cordão maravilhoso que liga as mãe para sempre às suas crias... Beijo de melhoras