quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Estefânia

Dona Madalena resolveu assustar-nos com mais um daqueles episódios de febre que sobe subitamente e lá fomos de corrida para a Estefânia, eu, ela e o pai, que abandonou o fecho do jornal e nos veio buscar de táxi. Saímos de lá com o mesmo veredicto de há dois anos, que é assim, que há muitas crianças que fazem este tipo de reacção, que a culpa é da imaturidade do sistema nervoso central e que, lá para os cinco anos, a coisa passa de vez.
Apesar da aparente normalidade com que médicos e enfermeiros encaram a coisa, Dona Princesa foi catalogada como caso urgente, o que fez com que fosse atendida ao fim de duas horas, mais coisa menos coisa.
Miuto bom, tendo em conta que, na sala de espera a rebentar pelas costuras, havia pais e meninos plantados há mais de cinco horas. E não era nada mau, que já houve dias em que a estimativa - depois confirmada - eram nove horas e meia.
Nove horas e meia, contou-me, entre sussurros, a auxiliar de limpeza que vinha do Barreiro e tinha um amigo bombeiro que lhe dizia que aquilo ali ainda estava pior do que o São José. Mas a menina sabe como é, sabe o que lhes fizeram, cortaram-lhes os subsídios e os ordenados e eles têm que se revoltar de alguma maneira.
Pois, eu sei. E também sei que nunca tinha visto tanta gente à espera e que muito provavelmente os médicos continuam a dar o seu melhor, como sempre deram, só que agora há menos gente a ir aos privados, onde é preciso pagar as consultas. E se calhar também há menos médicos, porque que os cortes na Saúde têm de deixar rastos, dê lá por onde der. Esperar nove horas para saber o que está a provocar a febre a um bebé ou porque é que vomita ou porque é que lhe dói a barriga, ou outra coisa qualquer, é absolutamente desesperante. E é um indicador arrepiante daquilo em que se está a transformar o nosso País.

PS: Madalena, querida, se puderes, por favor não repitas, está bem? É que a mamã, mais uma vez, ia tendo uma apoplexia por te ver naquele estado...


4 comentários:

Fatima Lança disse...

Os Mimos da mãe,estão á tua espera.
Beijinhos,

carlamariamateus40 disse...

Parece que afinal não fui unica nesta coisa das febres neste carnaval:(
Por aqui começou o ricardo,eu e agora a ana(tudo de seguida),já não estou habituada a estas azafamas de brufen e benurom a cada 4 horas.
bjinhos

Oficinas RANHA disse...

Parece que as urgências da Estefânia têm estado lotadas mas reforço das equipas, nem pensar... Pela Maternidade, que como sabes conheço melhor, as coisas têm estado muito movimentadas, a contrariar as notícias de programação do seu fecho... e mesmo necessitando de mais pessoal já dispensaram o pessoal de enfermagem que estava a trabalhar em regime de sub-contratação.
Beijinhos da Ana Cristina

mena disse...

É uma vergonha o que estão a fazer aos nossos hospitais, Ana Cristina. E pode tornar-se dramático...
beijinhos