domingo, 24 de janeiro de 2010

Birras

Estica-se toda, deita-se no chão, berra furiosamente e chora à séria, com aquele choro melodramático, cheio de lágrimas, do género dêm-me-atenção-senão-eu-não-paro. Acaba por parar, ou porque lhe dizemos qualquer coisa que a distrai, ou porque se farta e depois vem, toda ofendida, agarrar-se às nossas pernas.
A nossa bebé maravilhosa, que nunca se zangava com nada, de vez em quando transfigura-se. E eu, que sempre achei que não teria paciência para estas fitas, limito-me a aguardar pacientemente que lhe passe, porque se lhe dou muita atenção, aí é que não passa mesmo.
É normal, diz o guru Brazelton. Está a "explorar os limites de tolerância" das pessoas, sobretudo dos pais - com quem acaba por estar menos tempo durante a semana - e sobretudo aos fins-de-semana. Tem de aprender a "auto-disciplinar-se" e nós, pais desesperados e inexperientes, temos de aprender a impor a nossa disciplina, explicando-lhe o que deve e não deve fazer, dando-lhe tempo sempre que necessário.
Faz sentido, mas às vezes não é lá muito fácil. Como aqui há dias, em plena Mexicana, quando dona princesa decidiu que não queria sentar-se no carrinho, que estava ali muito bem e que não lhe apetecia ir para a rua. Finalmente lá a consegui sentar, mas a birra foi de tal ordem, que até as senhoras de cabelo armado da avenida de Roma se deram ao trabalho de interromper as conversas para nos lançarem olhares reprovadores. Saí a empurrar o carrinho, a olhar firmemente em frente e a tentar não desatar a rir, com uma Madalena ofendidíssima mas resiganada.
Passada a birra, parecia um anjinho e aguentou estoicamente uma incursão pelas lojas da Guerra Junqueiro, sorridente, linda e maravilhosa como sempre.

2 comentários:

Cougar disse...

O tio brazilton também que: Depois passa!!! beijos!!!

Oficinas RANHA disse...

E o guru Brazelton tem sempre razão... pelo menos a voz da sua imensa sabedoria e experiência dizem-nos que essa fase vai passar.
Beijinhos da Ana Cristina