quinta-feira, 26 de julho de 2012

Um passeio de autocarro


- Estou? Daqui fala o motorista da carreira 74 da Carris.
Momento de silêncio do lado de cá. Que raio me queria o motorista da carreira 74 da Carris, eu que há anos não ando de autocarro?
- Tenho aqui um gato...
E o pano a levantar-se.
- ... tenho aqui um gato perdido que tem o seu número de telefone.
- Pois, é meu. Deve ser o Calvin.
- Anda aqui no terminal, a esconder-se debaixo dos carros. Está assustado. Tem de o vir buscar.
Sabia eu perfeitamente que o senhor Calvin não estava nada assustado, que podia voltar para casa se lhe apetecesse, mas que o que queria mesmo era que lhe dessem comida. Este telefonema insólito aconteceu nas nossas férias e foi apenas mais um de vários outros que nos foram mantendo a par dos percursos turísticos do nosso gato que, mais uma vez, andava desaparecido.
- Vou ver se consigo pedir a alguém que aí vá, que eu não estou em Lisboa, mas se calhar vai demorar um bocadinho.
- Não faz mal. Eu agora levo-o comigo, a fazer a volta do autocarro, e daqui a uma hora, mais ou menos, estou aqui novamente.
E foi assim que o gato lá de casa, que em regra anda pela zona do Marquês, deu uma bela volta pela cidade, com passagens pela Madragoa, Cais do Sodré, Campo de Ourique e Bica. De regresso à Gomes Freire foi resgatado pelo Rui e pudemos finalmente ter umas férias descansadas, sem telefonemas de senhoras aflitas com um gatinho perdido encontrado na rua.

3 comentários:

catarina disse...

na outra encarnação deve ter sido explorador e o bichinho não lhe desapareceu. desaparece ele... ehhehehehehe que histórias fantásticas :)

Alexandra A. disse...

Filomena, vá lá... junta todas estas estórias e escreve "As fantásticas aventuras de um gato chamado Calvin".

carlamariamateus40 disse...

Tens um gato muito especial,merecia mm que lhe escrevesses as aventuras! Eu lia!!