domingo, 25 de abril de 2010

25 de Abril sempre

A bisavó da Madalena e do Pedro tem 94 anos e só desde o ano passado é que não vai à Avenida da Liberdade no 25 de Abril. Dantes ia sempre, diz ela. Ia e de vez em quando aproveitava para gritar "viva a república", que afinal o desfile dá para tudo e para todos e para o que cada um quiser. Este ano a avó Graça não foi, mas o Pedro e a Madalena lá estiveram. Ele a dormir, embalado pela Grandola Vila Morena, ela a olhar para tudo e para todos com aqueles olhos dela sempre tão curiosos com o mundo. Cada um no seu carrinho, o pai com um, eu com o outro, a nossa família de quatro lá desceu até ao Rossio, ao lado do carro da junta de freguesia de Corroios, que ia distribuindo cravos vermelhos acompanhados de Zeca Afonso em altas doses de decibéis. E eu, que agora me comovo por tudo e por nada (o baby blues não perdoa), dei por mim à beira das lágrimas só de pensar em como a minha vida mudou para melhor nos últimos dois anos e em como me sinto feliz, feliz, como nunca antes me senti, apesar das noites mal dormidas, das olheiras até ao umbigo e das doses de ansiedade quando me ponho a antecipar como é que isto vai ser quando voltar ao trabalho. Gostava de chegar aos 94 como a avó Graça e de todos os anos lá ir, descer a Avenida de cravo vermelho na mão.

p.s.: no ano passado foi assim.

2 comentários:

carla.mateus.silva disse...

Linda, Muitas Felecidades para tua linda familia.Tu mereces tudo de bom.bj

Oficinas RANHA disse...

Goza os teus miúdos e não antecipes ansiedades... sei que é mais fácil dizer do que fazer, mas vale a pena, pelo menos, tentar...
Beijinhos grandes, Rita