terça-feira, 15 de junho de 2010

De férias para os Algarves

Todos os anos a cena se repetia: saíamos de casa satisfeitos da vida, cantávamos todas as cantigas de que nos lembrávamos, mas à chegada a Mértola já a energia começava a diminuir. Quando começavam as curvas da serra algarvia, a caminho de Monte Gordo, era a desgraça total e não havia comprimido para o enjoo que resolvesse o problema. Imagino os coitados dos meus pais, com o Renaul5 cheio com as parafernálias todas do campismo e sem as maravilhas actuais do belo do ar condicionado, a terem de parar de dez em dez minutos para amparar os vómitos dos rebentos. Dona Madalena tratou agora de fazer justiça aos avós e, ainda que as curvas hoje em dia já não sejam o que eram, nem a auto-estrada nos livrou da estreia. A coisa foi de tal ordem que não me deu tempo para saltar para o banco de trás. Tivémos de a mudar toda no parque de estacionamento das portagens e a viatura ficou impregnada de um odor que me abstenho aqui de descrever e que ainda hoje, depois de os restos terem sido devidamente removidos, se nota ligeiramente no ar. Pequenos precalços de início de férias. Para já, temos uma semana inteirinha de praia e piscina pela frente, na primeira incursão a quatro da família maravilha no reino dos Algarves.

1 comentário:

Fátima disse...

Que saudades eu tenho,quando íamos no Renault 5 , de férias para a Praia- Verde,com os meus meninos, o Rui e a Mena, a mamã da Madalena e do Pedro.
Fátima