sexta-feira, 9 de julho de 2010

ainda as birras

Tanto falei, tanto a elogiei, que a coisa acabou por dar para o torto: há vários dias que se recusa a ficar na sua cama e dormir sozinha, como faz praticamente desde que nasceu. E não há nada que a convença, nem palavrinhas doces nem frases mais bruscas. Nada. Se a deixo no quarto berra furiosamente e vem atrás de mim. Se fico lá com ela, quer que me deite ao seu lado na cama grande e logo a seguir, como me recuso, lá vem mais um dilúvio lacrimal. Se a ignoro e deixo simplesmente a chorar, fica num tal estado de nervos que quase perde a voz e quando chega a esse ponto, as minhas tentarivas de me armar em dura vão por água abaixo. Não aguento vê-la naquele estado, não há nada a fazer.
Recorro mais uma vez ao tio Brazelton, mas não chego a grandes conclusões. Ela tem de aprender a auto-controlar-se, diz o guru. É muito bonito, pois, mas e o que faço ao Pedro, que dorme no quarto ao lado e que, por sua vez, também já foi o cabo dos trabalhos para se deixar dormir? Além disso, dona princesa não é rapariga para se deixar ficar. Quando lhe dá para a birra, segue-me por toda a casa a gritar "mamã, mamã" e se for preciso fica assim a noite toda.
Se amanhã fizer outra fita do género - ontem foram duas horas nisto e hoje repetiu a gracinha - juro que lhe dou uma palmada no rabo. Talvez se me vir realmente zangada perceba que não é aos berros que resolve a vidinha dela. Que raio de rapariga, torta que se farta - e linda até mais não poder - que eu fui arranjar...

2 comentários:

Marina disse...

Ai como te compreendo... Pode ser que seja só uma fase desta idade, tenho esperança. Beijo e boa sorte (e para mim também!)

mena disse...

também estou com essa esperança, sobretudo porque daqui a muito pouco tempo serão dois a rebolar no chão, porque o pedro há-de aprender rapidamente com a mana :)

beijinhos